O que é crudivorismo e alimentação viva?

A ideia de ter uma alimentação vegana sem cozimento não data de ontem; de fato, o homem é o único ser na Terra que cozinha seus alimentos. No entanto, a constituição fisiológica do homem certamente é a de um primata. Seu sistema digestório foi concebido para funcionar otimamente com o consumo de frutas, legumes e folhas, algas, oleaginosas e grãos. O sistema digestório dos primatas não é adaptado ao grande consumo de carnes ou cereais, nem, claro, a produtos químicos, transformados ou geneticamente modificados. A lógica indubitavelmente perfeita e incontestável da natureza é nossa mestra, levando-nos a adotá-la em nossas escolhas do dia a dia.

O homem conseguiu sobreviver à Era do Gelo graças à caça, e desenvolveu civilizações sedentárias por meio do cultivo de cereais. Assim, o cozimento se tornou algo muito útil para transformar esses alimentos, destruir as bactérias patógenas e facilitar sua assimilação. Para se adaptar, o homem adequou o meio ambiente, porém seu sistema digestório não se transformou.

Uma vez garantida a sobrevivência, a carne permaneceu, embora não fosse mais vital: até mesmo Pitágoras, famoso matemático da Grécia antiga, fundou uma confraria intelectual em que era imprescindível seguir um regime vegetariano. Hipócrates, um de seus pupilos, hoje considerado o pai da medicina, do qual, diz-se, seguia um regime vegetariano principalmente sem cozimento, um dia afirmou: “Que seu alimento seja o seu medicamento”. Essa afirmação continua bem atual!

Os cereais, que têm servido tão bem à humanidade, sendo a base da produção local e garantindo a segurança alimentar, hoje estão sendo reinterpretados. Verduras, sementes germinadas, frutas e legumes são bem mais ricos em nutrientes, mais fáceis de digerir e com maior poder de cura do que os grãos. O número cada vez maior de alergias e intolerâncias, notadamente ao glúten, não é sinal disso? Aqui, não pretendemos eliminar os grãos, mas colocá-los no lugar que melhor lhes convém.

Assim como muitos de vocês, nós, da Alaúde, e nossos autores somos sensíveis ao desrespeito ao meio ambiente, à industrialização da alimentação, à perda de qualidade da saúde, entre tantos problemas atuais.

Hoje, o regime crudívoro tornou-se um assunto apaixonante. Pode ser visto ao mesmo tempo como uma moda, já que é inovador e mexe com antigas ideias, e também como movimento social sólido, já que é baseado em um raciocínio científico, que responde a uma necessidade e carrega uma mensagem de esperança.

Somos o que comemos. Nosso futuro depende do que comemos.

Em resumo, essa abordagem culinária não é uma dieta, nem um regime ou um dogma alimentar. Trata-se de uma filosofia, a arte de viver que procura devolver ao indivíduo o poder de recuperar a saúde e a alegria por meio da mudança de perspectiva em relação ao ato, aparentemente banal, de alimentar-se.

Não é preciso que você se torne 100% crudívoro e nem acreditamos que isso seja necessário. Aliás, não é preciso mudar seus hábitos de um dia para o outro, mas talvez você possa pelo menos experimentar. Devagar, seu corpo vai se acostumar e pedir mais!

Promessas da alimentação viva

• retorno natural a saúde plena
• rápida regeneração dos tecidos
• maior concentração mental
• criatividade renovada
• sono profundo e reparador
• pele mais luminosa, beleza natural
• olhos vivos e atitude positiva
• peso saudável, silhueta harmoniosa
• gosto pela vida e vontade de superar os limites
• nova perspectiva de vida, de mudança positiva
• impacto direto sobre a economia e a saúde do meio ambiente

A alimentação viva é rica em nutrientes, em minerais, em proteínas, em vitaminas, e também contém a própria vida. Tudo o que é necessário para desenvolver e garantir todo o seu potencial! Se interessou? Então, convidamos você a experimentar!