Vegetarianismo para crianças #2

Cuidados que devem ser adotados na alimentação da criança vegetariana

Com base na literatura científica disponível, e analisando os erros alimentares ocorridos em  publicações sobre o tema, quero chamar a atenção para alguns cuidados que devem ser adotados na condução da criança vegetariana. Hoje, destaco questões sobre o aleitamento.

Não substituir o leite materno por leites vegetais caseiros: essa prática era instituída pela alimentação macrobiótica e consistia em usar uma mistura de grãos chamada “kokoh”, constituída de arroz, trigo, aveia, feijão e farinha de gergelim, em substituição ao leite materno. Essa conduta traz inadequações na oferta de macro e micronutrientes ao bebê e não deve ser utilizada. 

Na impossibilidade de uso do leite materno, a SVB orienta que o bebê vegetariano receba fórmulas industrializadas, substitutas do leite materno. Para famílias veganas, a fonte proteica deve ser outra que não a do leite de vaca, já disponível no mercado brasileiro. Isso garante a oferta adequada de macro e micronutrientes, já que elas são desenhadas de acordo com a necessidade infantil e pautadas no Codex Alimentarius. 

Não suspender o aleitamento materno antes dos 6 meses de vida: essa prática foi vista em comunidades espiritualistas onde a recomendação do dirigente do grupo era a suspensão do aleitamento materno aos 3 meses de vida e a sua substituição por bebidas vegetais caseiras à base de hortaliças, frutas e soja, ocasionando quadros de desnutrição severa.

A orientação da SVB é que se mantenha o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida e que seja continuado até pelo menos os 2 anos de vida (em conjunto com os alimentos ofertados a partir dos 6 meses de vida), como orientado pelas entidades de pediatria reconhecidas no Brasil e no mundo. Na impossibilidade do uso do leite materno, utilizar as fórmulas substitutas industrializadas.

Não manter a amamentação exclusiva por tempo prolongado: há relatos de famílias que utilizaram do leite materno exclusivo (sem a introdução de outros alimentos a partir dos 6 meses de vida) por mais de um ano, ocasionando problemas nutricionais aos bebês. A SVB orienta que a introdução alimentar do bebê vegetariano ocorra no mesmo período preconizado para os onívoros: a partir dos 6 meses de vida.

Em outubro, mês das crianças, vamos compartilhar uma série de posts sobre vegetarianismo em pediatria, baseados em um parecer escrito para Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) pelo Dr. Eric Slywitchrenomado médico nutrólogo com mais de vinte anos de experiência, autor de Alimentação sem carne, Emagreça sem dúvida e Virei vegetariano, e agora?Na semana que vem, continuaremos com a série, falando sobre a escolha dos primeiros alimentos da criança. Assine o nosso feed para não perder nenhuma informação e compartilhe a sua opinião nas redes sociais da @editoraalaude.